segunda-feira, 12 de julho de 2021

ADQUIRA O LIVRO DA EDITORA NOVA ANTÍDOTO: “OS GENUÍNOS TROTSKISTAS E A QUESTÃO CUBANA”

A Editora Nova Antídoto em parceiria com as Publicações LBI relançaram em meio atual crise que se abate na ilha devida a pandemia da Covid-19 orquestrada pelo imperialismo ianque o livro "Os genuínos trotskistas e a questão cubana”. Ele aborda a importância histórica de defender o Estado operário cubano das investidas da Casa Branca como ocorre neste momento.

A revolução vitoriosa em 1959 dirigida por Fidel e Che arrancou a pequena ilha das garras dos grandes monopólios ianques, transformando um país que era literalmente um prostíbulo da burguesia norte-americana em uma nação que anos depois rompeu com o jugo da dominação da cadeia de espoliação capitalista, garantindo a seu povo conquistas históricas como educação pública, gratuita e um dos sistemas de saúde mais avançados do planeta. 

Nem os mais de 50 anos de criminoso bloqueio econômico fizeram ruir essas conquistas que permanecem socialmente vigentes para o proletariado, apesar das imensas dificuldades que impõe a Cuba até hoje. 

O legado teórico de Trotsky nos ensinou que era preciso defender incondicionalmente a URSS, apesar dos erros e traições de Stalin. Hoje, com Cuba fazemos o mesmo. Ainda que tenhamos críticas à direção do PCC, jamais nos somamos ao imperialismo e sua corja arquirreacionária nos ataques ao Estado operário; pelo contrário, sempre estivemos na linha de frente da sua defesa, não apenas como "amigos de Cuba", mas acima de tudo como internacionalistas proletários e defensores do socialismo científico como alternativa à barbárie capitalista que ameaça a existência da própria humanidade. Acreditamos que somente a mobilização internacionalista da classe operária poderá fazer frente aos planos do império para aniquilar totalmente a enorme referência mundial da revolução cubana. 

Por isso não devemos depositar nenhuma confiança nos "acordos" amistosos com os chefes "democratas" dos estados terroristas. A trágica lição abstraída da guerra da Líbia, onde Kadaffi "confiou" nos abutres imperiais europeus que logo em seguida devastaram seu país, deve servir como um farol revolucionário para a vanguarda classista do proletariado mundial na defesa de Cuba.